Agência Nacional do Cinema
Translate traduzir ImprimirImprimir 25/01/2018 14:06

ANCINE apresenta estudo sobre diversidade de gênero e raça no mercado audiovisual

Dados apontam domínio de homens brancos nas funções de liderança

Preview
Ampliar
Diretor da ANCINE, Alex Braga, ao lado do Secretário do Audiovisual, João Batista, e da Superintendente, Luana Rufino

O mercado cinematográfico brasileiro é uma indústria protagonizada por homens brancos. Levantamento da Agência Nacional do Cinema - ANCINE tendo como base os 142 longas-metragens brasileiros lançados comercialmente em salas de exibição no ano de 2016 mostra que são dos homens brancos a direção de 75,4% dos longas. As mulheres brancas assinam a direção de 19,7% dos filmes, enquanto apenas 2,1% foram dirigidos por homens negros. Nenhum filme em 2016 foi dirigido ou roteirizado por uma mulher negra.

 

Esta é apenas uma de uma série de informações de um estudo apresentado pela Agência Nacional do Cinema – ANCINE nesta quinta, 25, no Odeon, no Rio de Janeiro. O levantamento, intitulado “Diversidade de gênero e raça nos lançamentos brasileiros de 2016”, dá continuidade à análise de dados sobre a participação feminina que a Superintendência de Análise de Mercado vem produzindo desde 2014. Trata-se do primeiro estudo que apresenta recortes de cor e raça a ser realizado pela ANCINE. A publicação promete ser anual e o balanço de 2017 será divulgado em junho deste ano no Observatório do Cinema e Audiovisual (OCA).

 

“O primeiro passo para se pensar em políticas públicas afirmativas é a produção de conhecimento e levantamento de dados. Esse tipo de pesquisa nos ajuda a entender melhor o mercado que regulamos e fomentamos e a pensar em que direções seguir. Estamos atentos às demandas do mercado. Foi pensando nisso que instauramos também, em novembro, a Comissão de Gênero, Raça e Diversidade, que tem o objetivo de desempenhar atividades relacionadas à promoção da inclusão, da diversidade e da igualdade de oportunidades no âmbito de atuação da ANCINE”, explicou o diretor-presidente, Christian de Castro, que estava em Brasília e não pôde comparecer à apresentação.

 

O evento contou com a presença do Secretário do Audiovisual do MinC, João Batista da Silva, e do diretor da ANCINE, Alex Braga. O estudo foi apresentado pela Superintendente de Análise de Mercado, Luana Rufino, e pela equipe da Coordenação de Monitoramento de Cinema, Vídeo Doméstico e Vídeo por Demanda, que elaborou o estudo: Gledson Merces, Heloisa Machado e Danielle Borges (SAM/CCV).

 

"A geração de dados é fundamental para qualificar o debate e para se definir políticas públicas que tracem metas. Essa é uma demanda bastante consistente, fruto de uma dívida histórica. A Secretaria do Audiovisual (SAv), com os editais afirmativos busca contemplar essa demanda", disse o Secretário do Audiovisual, João Batista.  

 

O diretor Alex Braga parabenizou a iniciativa da realização da pesquisa.  “A percepção que nos fica é da importância de criar os espaços de discussão, para que venham desde logo as tão esperadas ações concretas para melhorar esse quadro e que se inicie o processo da igualdade e da diversidade".

 

O universo da pesquisa apresentada consistiu na análise dos 142 longas brasileiros lançados em 2016, segundo dados do SADIS – Sistema de Acompanhamento da Distribuição em Salas de Exibição. Cada filme teve as funções de Direção, Roteiro, Produção Executiva, e Elenco classificadas quanto a identidade de gênero e raça/cor.  Já as funções de Direção de Fotografia e Direção de Arte tiveram classificação quanto a identidade de gênero. No total, foram analisadas 1.326 pessoas envolvidas no cinema brasileiro de 2016.

 

A análise apontou o domínio de homens brancos não apenas na direção, mas nas principais funções de liderança no cinema, o que evidencia que as histórias exibidas nas telas do país, produzidas por brasileiros, têm sido contadas majoritariamente do ponto de vista dos homens: 68% deles assinam o roteiro dos filmes de ficção, 63,6% dos documentários, e 100% das animações brasileiras de 2016.  Os homens dominam também as funções de direção de fotografia (85%) e direção de arte (59%).

 

As posições só se invertem nas funções de produção. Assinam a produção executiva 36,9% de mulheres brancas, contra 26,2% de homens brancos.  As equipes mistas, com homens e mulheres brancas, somam 26,2%. Os homens negros assumem 2,1% da função de produção. Sozinhas, as mulheres negras não assinam nenhuma produção. Apenas 1% de mulheres brancas e negras respondem à função em equipes mistas. 

 

A participação nos elencos das obras também mostra a sub-representação da população negra.  Apesar de o Brasil ser formado por 50,7% de negros, o percentual de negros e pardos no elenco dos 97 filmes brasileiros de ficção lançados em 2016 foi de apenas 13,4%.

 

Veja aqui a apresentação completa.

 

Ministério da Cultura - MinC anuncia ações

 

O Ministério da Cultura – MinC divulgou por meio de nota algumas medidas que já serão implementadas sobre o tema:  "Os dados da pesquisa “Diversidade de gênero e raça nos lançamentos brasileiros de 2016” refletem a realidade do país e são o primeiro passo para a construção de uma política pública efetiva de reversão desse cenário de desigualdade no âmbito do setor audiovisual.

 

A primeira ação dessa política, que está sendo discutida no Conselho Superior de Cinema, é o lançamento do maior pacote de editais em volume de recursos da história da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura, voltado a estimular a inserção de mulheres, negros e indígenas no mercado audiovisual. Também será incentivada a participação de novos talentos. O anúncio acontecerá na primeira quinzena de fevereiro.

 

Outras ações serão discutidas pelo Conselho, com o objetivo de consolidar uma política consistente de promoção da diversidade no setor. Com isso, o Ministério da Cultura espera impactar diretamente o mercado, promovendo mais igualdade e oportunidade no âmbito cultural".

  1. Apresentação dos dados aconteceu no Cinema Odeon, no Rio de Janeiro

    Galeria
  2. O cineasta Joel Zito participou do debate após a apresentação

    Galeria
  3. A roteirista e educadora Francine Barbosa

    Galeria
  4. A cineasta Sabrina Fidalgo

    Galeria
  5. Marcia Rangel representante do Grupo GEMAA (Grupo de Estudos Multidisciplinar da Ação Afirmativa) da UERJ

    Galeria
  6. O ator Érico Brás

    Galeria
  7. Servidores da Superintendência de Análise de Mercado (SAM) durante evento

    Galeria
 
 
Ícone Webmail Webmail Ícone Mapa Mapa do site SEI
Agência Nacional do Cinema - Ministério da Cultura - Governo Federal